Não é à toa que ela é a santa das causas impossíveis

Santa Rita de Cássia foi uma mulher humilde, que viveu no século XV. Durante a vida e após a morte, Santa Rita foi uma intercessora poderosa, sempre rezando pelos mais necessitados.

Depois de morrer de tuberculose, Rita – quase que imediatamente – foi relacionada a vários milagres. Segundo o autor Bert Ghezzi, “três dias depois [da morte dela], Domenico Angeli, um notável de Cássia, registrou onze milagres” atribuídos à santa.

De lá para cá, ela ficou conhecida como uma intercessora poderosa, com incontáveis milagres ocorrendo através de sua intercessão celestial – especialmente a solução das causas consideradas impossíveis.

No entanto, foi só em 1900 que Rita foi oficialmente canonizada. Foram necessários três milagres para provar que os fiéis poderiam rezar, sem hesitação, a esta poderosa santa. Aqui está um registro desses três milagres, conforme observado no decreto oficial de canonização:

O primeiro milagre consiste naquele perfume agradável que emana dos restos do corpo da santa, cuja existência é confirmada por muitas testemunhas confiáveis […], de modo que duvidar desse fato seria absurdo. Além disso, nenhuma causa natural pode ser dada para a existência desse odor, como vemos na pesquisa física que foi feita por homens mais habilidosos em tais coisas. Ademais, este odor difunde-se de uma maneira acima das leis usuais da natureza. Por isso, devemos estar convencidos de que esta fragrância tem sua origem na intervenção divina.

O outro milagre aconteceu a Elizabeth Bergamini, uma jovem que corria o risco de perder a visão devido à varíola. Seus pais, assegurados pelos médicos de que a condição da criança era tão séria que a ajuda médica poderia ser inútil, decidiram mandá-la para o Convento Agostiniano de Cássia, suplicando fervorosamente a Santa Rita que livrasse a filha da cegueira. Chegando ao convento, a criança vestiu um traje em homenagem à santa. Depois de quatro meses, Elizabeth anunciou que estava conseguindo enxergar. Juntamente com as freiras, ela começou a dar graças a Deus, que operou tal milagre através de Santa Rita.

O terceiro milagre aconteceu com Cosimo Pelligrini, que sofria de gastroenterite crônica e hemorroidas tão graves que não havia esperança de recuperação. Retornando um dia da igreja, ele ficou tão fraco com um novo ataque de sua doença que quase morreu. Os médicos ordenaram que ele recebesse os últimos sacramentos. Ele os recebeu na cama, com toda a aparência da morte que se aproximava. De repente, ele viu Santa Rita, que parecia cumprimentá-lo. Logo, sua antiga força e apetite retornaram-lhe, e, em pouco tempo, ele conseguiu fazer o trabalho de um jovem, embora fosse um septuagenário.

Não é à toa que Santa Rita é a padroeira das causas impossíveis, né? Clique aqui para conferir a novena dedicada a ela.

Via Aleteia


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *